sábado, 26 de março de 2011

Você,MEU MARIDO...Minha vida

"Bom, quando em desisti de ter a legítima vida amorosa da Cinderela, você surgiu. Assim, meio atirado pela lareira como um pacote grande de Natal. Meio caído do céu, como um anjo de asas tortas.
Aos poucos, as nossas preferências e gostos bizarros foram se confundindo e eu já nem sabia mais se eu era uma pessoa dividida em duas partes; se você era o chinelo velho pro meu pé cansado; ou se o conto de fadas estava se tornando real.
Te confesso que por muitas noites, antes de dormir, eu me perguntava o que eu tinha feito de bom pra merecer você, que eu considero um presente, na minha vida. Deus nunca mandou respostas concretas, mas também nunca me tirou você, o que me fez acreditar piedosamente que eu tinha sido uma boa garota. Pelo menos em algum momento. E, hoje, eu acredito que eu fui boa mais de uma vez por tantos momentos felizes que vivemos.
Sabe, no começo eu tive medo. Você se encaixava direitinho no Príncipe Encantado que eu procurava. Seus defeitos eram aceitáveis e suas qualidades preenchiam quase todos os requisitos básicos que eu tinha criado. Toda mulher cria artimanhas para defender o coração. Eu criei uma espécie de Frankstein do século XX, com todas as partes boas reunidas numa única pessoa. Obviamente seria quase impossível encontrar alguém que fosse divertido e inteligente; companheiro e carinhoso; prestativo e bondoso. Impossível até te conhecer.
Não acho que você seja perfeito. Nem eu sou. Ninguém é. Mas a maneira como você age comigo, o seu jeito de ser, as coisas como acontecem... tudo parece que se encaixa de uma forma tão comum, tão linda e poética, que eu encontro a perfeição. E mesmo passado um ano desde o nosso primeiro encontro, eu peço para que ninguém me acorde desse sonho bom que é estar com você.
É muito mais que amor. É mais que paixão, segurança e tesão. É paz de espírito e sossego. É planos de futuro e bem querer. Você me permite voar e ser eu mesma. Você me inspira a ser boa. E eu me sinto protegida quando você me abraça e deixa eu encostar minha cabeça no seu peito. Quando você diz pra eu chorar todas as dores do mundo e que está comigo pro que der e vier. Você me dá um mundo cheio de vida nova. A única coisa que você me tira é a inspiração, porque tristeza sempre combinou mais com qualquer tipo de escrita."

Michelle Corazza (suspiros de uma mariposa apaixonada)

terça-feira, 22 de março de 2011

Perfeito,perfeito.Assim ele é!

E  daí quantos cromossomos nós temos? É isso que faz de nós pessoas menos ou mais Aventuradas???
é Lógico que não!
Aprenda a respeitar as diferenças!

A morte me assusta.

         Esses dias perdemos mais um amiguinho, o segundo de nossa lista de amiguinhos virtuais.
O Enzo se foi, na verdade de volta a casa do Papai do céu.
Mais uma vez, uma partida me faz reflitar sobre essa palavra que ainda é tão difícil para mim.
Porque? Se é a única certeza que temos da vida! Todos nós morremos um dia.
Não sei. Só sei que essa tal de morte me “intriga”.
Sinto muito desconforto em falar sobre esse assunto. É uma coisa que realmente tenho medo.
Não. Não, de morrer! Isso seria o que menos.
Mas como viver sem as pessoas que eu mais amo heim? Só de pensar... me dar um frio na espinha.
Bom... o que doi não a morte em si, mas saber que nunca mais veremos aquele sorriso,ouviremos aquelas palavras, sentiremos aquele carinho... aquela companhia tão essencial. Mesmo que longe, sabemos que podemos falar, ao telefone, no msn, receber um email... e depois? Depois da morte? O que resta? Apenas as lembranças dos bons momentos vividos.... mas isso não basta. Pelo menos não para mim!!!!Mas é apenas o que fica.Eu não sei como seria para mim...
Não gosto nem de imaginar.Já dói.
Então com a perda do queridinho Enzo, fica uma lição... viva cada momento como se aquele fosse o último, porque ele pode realmente ser...não sabemos o dia de amanhã... não sabemos se amanhã teremos aquela pessoa que tanto amamos ao nosso lado. É duro pensar assim... Mas fazer o que né? A morte faz parte da vida. E ela não manda um aviso prévio, nem nos diz para dar-mos valor as pessoas ao nosso redor, porque ela, a dona morte, vem busca-la.
Mesmo assim eu continuo morrendo de medo dela...
Tem certas perguntas que eu fico sempre me fazendo... Porque senhor, tiraste essa criança dessa família que a amava tanto? Enquanto a mães rejeitando seus filhos,provocando abortos... e mesmo assim não as tira dessas mães?
Dá uma certa revolta... mais talvez nunca terei as respostas... ficam só as perguntas!

Que Deus abençoe e tranquilize os corações da família Lagazzi!!!



_____________________________________________________________________________________________Me lembro de um filme, “O curioso caso de Benjamin Button”.
Imagina a gente nascendo velho e ficando bebê? Pois então, o cara nascia com 80 e poucos anos e se tornava mais novo a cada dia que passava. Para ele isso era uma condenação ficar jovem, enquanto todos os que ele amava ficavam velhos e morriam... quando ele era velho,conhece uma garotinha... anos depois quando ele está jovem .... se apaixonando por essa mulher já mais velha.. E então, como eles iriam viver esse amor até o fim de suas vidas? Se enquanto ela envelhecia, o Benjamin se tornava um jovem,logo uma criança e entao um bebê???até dormir e não acordar mais...
Seria assim melhor? Melhor para nós que morremos ou melhor para nós que ficamos?
É uma viagem... eu adorei o drama. enfim, assistam, vale a pena.

domingo, 20 de março de 2011

Dia Internacional da Síndrome de Down

     No mundo em que vivemos, respeitar as diferenças tem sido algo cada vez mais difícil.
Seja ela qual for, ainda temos bastante dificuldade em aceitar o novo, o desconhecido.
Aceitar as pessoas como elas são, não é uma tarefa simples.
Infelizmente, muitos se sentem tristes e decepcionados ao receber em sua vida uma criança portadora da síndrome de down, por um simples motivo: a falta de informação.

Deveriamos ter mais comerciais sobre o assunto,do que propraganda de cervejas.
Mais filmes informatimos,do que material pornógrafico.
Talvez se tivessemos mais apoio do governo, capacitando professores para crianças especiais... Mais... quem sabe um dia chegaremos lá!

Grande maioria da população do planeta trata o assunto como algo assombroso e triste.
Até que percebemos pela própria convivência, que esses seres tão humanos quanto nós,são tão cheio de capacidades, de amor e de vontade de vencer os obstáculos. Sim, eles são capazes, capazes de aprender, de trabalhar, de ter sua independência fincanceira, de formar uma família.O que muitos ainda não sabem... Mas PRECISAM SABER!
Que nesse dia possamos aprender mais a respeito dessa síndrome, que alguns chamam até de “Síndrome de Amor”, porque as pessoas que convivem com elas tem o prazer de conviver com pessoas de coração puro, sem maldade e um poder de amar acima do normal, ou de serem amados INCONDICIONALMENTE.

Hoje é um dia para refletirmos.

Não devemos ser tão intolerantes as diferenças, respeitar e amar as pessoas como elas são é um ATO DE AMOR E FÉ!

Não importa quantos cromossomos nós temos, todos nós precisamos de oportunidades para que possamos alcançar nossos grandes sonhos.
Precisamos de pessoas que acreditem em nosso pontecial, que nos dê chances de aprender, que nos dê chances de vencer.Isso é o que faz a diferença na vida das pessoas com a Síndrome de down.O que também serve para todos nós, não é mesmo? Sem oportunidades e pessoas que acreditam em nossa capacidade, não chegamos a lugar algum.

E você, respeita as diferenças do seu próximo?

Ser diferente é normal, afinal, SOMOS NÓS TODOS IGUAIS?

Uns brancos,uns negros, outros altos, uns baixo... Quem é normal?

Aprenda você também aceitar as pessoas como elas são.

Dia 21 de março, dia internacional da SÍNDROME DE DOWN,porque respeitar as diferenças é acima de tudo,um ato de amor.

segunda-feira, 14 de março de 2011

“…Lembro-me bem daquele ar de tristeza e pena, muitos tiveram a ousadia de deixar escapar,com  um tom fúnebre: “Eu sinto muito!”. O que eles não sabiam é que a felicidade nascera para mim naquele instante, em que vi aqueles lindos olhos puxados...O que eu de fato também não disconfiei.”  Carolina Schönauer

domingo, 13 de março de 2011

Escrever com a Alma

"Quando escrevemos sobre algo que dói, parece que fica mais bonito de se ler.."



Escrever, desde muitos anos é um robby para mim...

Primeiro começou com cartas de amor!
Cartas apaixonadas.... Com elas conseguir fazer alguns duros corações se amolecerem... mais essas, não o fizeram se apaixonarar loucamente por mim! Rs rs rs
Eu sempre me expressei melhor escrevendo... Tem pessoas que chegam até a não acreditar que fui eu mesma que escrevi, porque, falando mesmo, não consigo transpor tudo que sinto e penso.
Lembro-me que com meu primeiro namorado, quando brigavamos, eu não sabia discutir, muitas vezes não falava o que realmente sentia naquele momento, não sabia organizar as idéias falando. Daí no próximo dia eu escrevia uma carta e ele ficava passado, dizia: “tu só sabe falar essas coisas escrevendo...” Mas as palavras tomavam mais forças quando eram escritas, eu sempre fui mais forte escrevendo do que falando.Ele guardava aquelas cartas como tesouro... Nelas, contiam verdades que eu jamais conseguiria dizer olhos nos olhos.
Minhas palavras muitas vezes fez as pessoas reavaliarem suas atitudes, eu conseguia colocar em um papel todo sentimento ou sofrimento vivido por mim.
Logo depois veio o computador, acabei abandonando os diários e cadernos.
Então chegaram os Email’s, depoimentos, recados...O BLOG.
Depois com tanta tecnologia, faz tempos que eu não escrevo textos a mão.
Tenho mania de estar fazendo algo, limpando, tomando banho, cozinhando e ficar pensando... chego até a falar sozinha muitas vezes...(se estiver só), crio textos mentalmente... e preciso correr para o computador para não perder o fio da meada.
Já aconteceu várias vezes de está deitada para dormir e levantar porque me passou algo legal para escrever...
Gosto de ler muito também, muitos blogs, reportagens, livros sobre algum assunto que me interesse... Tem blogs que visito sempre, já a uns 3 a 4 anos, porque me identifico com suas palavras... Sua maneira de se expor!

“Escrever é um ato de coragem, coragem de se expor,de se arriscar...de olhar para dentro de nós mesmos e descobrir o outro,porque não existimos sem essa relação...Escrever é uma forma de falar aquilo que não pode ser dito,é mostrar o que muito vezes não queremos em nós mesmos, e dar para o leitor como um presente feio e sujo alguma coisa que entregamos sem esperar nada em troca.Escrever é não deixar que o peso caia sobre nossas costas,porque o verdadeiro escritor é aquele que usa as palavras para se denunciar, e denuciar o que o leitor nunca teria coragem de falar”.

Eu ouvi num filme ontem! E fiquei pensando,mas não que é verdade mesmo.
Não é todo mundo que tem coragem de se expor.
Para escrever você precisa ter ousadia, iniciativa,sensatez... ou a falta dela!
Escrever para mim sempre foi um desafio, desafio de conseguir controlar ou entender meus sentimentos.Escrever faz com que eu me ache... ou perca!Escrever é colocar em linhas toda paixão, amor, raiva ou ódio.É a forma mais infinita de registrar uma história, seja ela de vitória ou de derrota.É passar para as pessoas um pouco da sua essência, a imagem da tua alma.Mesmo que muitos não compreendam...
Espero que escrevendo eu consiga tocar alguns ou muitos corações. E mesmo que isso não aconteça, sei que consegui tocar a mim mesma.

Escrever... salva a alma presa, [...] salva o dia que se vive e nunca se entende a menos que se escreva ( Clarice Lispector)


sexta-feira, 11 de março de 2011

segunda-feira, 7 de março de 2011

A Carol-Mãe!

A chegada do Pedro em minha vida, foi uma espécie de transformação da Carol menina-mulher para  a Carol Mãe.
Apartir desse momento, nasceu em mim sim, uma Mãe de verdade.
Uma Mãe que chora junto ao seu filho que sente dor.
Uma Mãe que passa noites sem dormir ao lado de seu filho recém-nascido com medo que algo o aconteça.
Aquela que em todos os sonhos e desejos, o de ver seu filho bem, se destaca.
Aquela que coloca tudo de lado pelo bem estar da sua cria.
Que o defende de tudo e todos e preciso.
Que o AMA e o ACEITA, mesmo ele não sendo como idelizado. O ama assim como ele é. Porque é assim que ele é perfeito.
Uma Mãe de verdade... é
Aquela que ensina mil vezes a mesma coisa sem se importar, até que ele assimile.
Que abidca alguns anos de sua vida para se dedicar a função de Mãe, sem que isso lhe seja algo ruim.
Que acredita e confia na capacidade do seu filho, independentes de suas limitações.
Mas...nem todas as Mães que ganham um presente desse, SER MÃE, reconhece o seu verdadeiro valor.
Para muitas ser mãe é apenas uma circunstância da vida. "Ah! Casei e preciso de filho. Basta!"

Não seja esta Mãe, deixe que o verdadeiro amor de Mãe nasça junto com seu filho.
Uma Mãe, não precisa ser perfeita, na verdade elas não são.Elas erram, se enganam, magoam as vezes...
Mas nos amam acima de tudo.
 -------------------------------------------------------------------------------------------------------
Aconteceu esses dias de uma colega me procurar falando que sua irmã grávida, havia feito o exame de ultrasonografia da translucência nucal, para quem não sabe, nesse exame é medida uma quantidade de liquido existente na nuca do bebê. Existe um valor normal(Se a medida estiver até 2,5 milímetros, significa que esta tudo bem com o feto. Medidas acima deste valor, em 90% dos casos, podem indicar um feto com problemas, geralmente devido a uma alteração cromossômica, podendo ser uma Sindrome de Down, Síndrome de Edwards, entre outras.)Mas a Sindrome de down é a mais comum e atinge 1 a cada mil nascidos.
Elas estavam muito apreensivas com essa possibilidade, é normal, o diferente nos assusta mesmo.
Eu as disse que existe exames para saber exatamente qual o tipo de alteração genética, precisa conversar com seu médico e então entrarem num acordo.
Descobrir que seu filho tem uma sindrome ainda dentro da barriga, eu acho bem mais dificil do que ser pega se surpresa.Não sei como séria toda minha gravidez imaginando o futuro do meu filho. Acho que até achar respostas para minhas dúvidas seria uma tortura. Porque imaginaria diversos problemas a mais sem necessidade. O "e se ele...?e se for assim?" me mataria!
Eu não teria uma gravidez tranquila como tive. Apesar do sustão tomado, eu preferir assim!
E se eu optasse por interroper a gravidez por achar que poderia ser algo muito pior??Que ele sofreria, sendo assim melhor que não vivesse...Coisas do tipo que costumamos pensar num caso desses.Costumamos dar uma de DEUS. Não sei qual seria minha reação.(a principio)
Ela disse que passou meu Blog para a irmã e ela se sentiu muito confortável com a possibilidade de seu filho ter a sindrome de down.Por conhecer nossa história e de quanto normais e especiais essas crianças são.
De anormal só o preconceito que existe em nossos corações. Por elas "apenas" furgirem do dito "Normal".
Mas vou lhes dizer uma coisa, eu fiz o exame da translucência nucal, como elas me preguntaram, o valor da de Pedro deu normal e mesmo assim ele nasceu com a Sindrome de Down. Não sei se dar pra confiar muito. Perguntei a Médica que fez o exame como foi possivel isso acontecer. Ela me explicou que não costumam dizer, mais a TN(translucencia nucal), não é 100% para a sindrome de down, e sim 100% para as sindromes(ou doenças) incompativeis com a vida. Em alguns casos(não todos) a SD é vista por esse exame.E após, confirmada com a  amniocentese. Que é capaz de detectar milhares de sindromes cromossomicas.  Normalmente, o exame é feito a pedido dos pais, e não por indicação médica. Pois esse, a um risco de aborto em 1% dos casos.(pelo que sei).
(No Brasil, ao contrário do que acontece em alguns outros países, a lei não permite a interrupção da gravidez em caso de um defeito genético como a síndrome de Down,(aqui na suiça sim) mas em alguns casos juízes têm autorizado abortos seletivos no caso de síndromes ou malformações que representem incompatibilidade com a vida. O resultado da amniocentese pode ajudar na tomada desse tipo de decisão, que precisa ser analisada caso a caso, sempre fundamentada com uma série de laudos. É necessária a ajuda de um advogado ou de um representante do Ministério Público, e nem sempre a autorização é obtida.
Em caso de problemas menos graves, o conhecimento prévio dos defeitos congênitos do bebê facilita o atendimento à criança logo depois do nascimento (preparação de UTI neonatal, presença de especialistas etc.), além de preparar a família para o que está por vir. A amniocentese também pode ser usada para determinar a paternidade da criança pelo exame de DNA antes do nascimento, embora seja incomum ela ser realizada apenas por esse motivo.)
A amniocentese é mais comumente feita entre a 15a e a 18a semana de gravidez. Ela pode, porém, ser realizada já na 12a semana. A realização do exame antes da 14a semana demonstrou representar um risco maior de abortamento. No segundo trimestre, já há líquido amniótico suficiente dentro do útero para que os especialistas possam retirar uma amostra adequada sem colocar o bebê em risco muito alto. Se por algum motivo o bebê tiver de nascer prematuro, o obstetra pode sugerir a realização da amniocentese para verificar se os pulmões dele já estão amadurecidos.

 mulher permanece deitada, enquanto o médico, usando imagens de ultra-som para se orientar, identifica um bolsão de líquido amniótico a uma boa distância da placenta e do bebê. Em seguida ele insere uma agulha comprida na barriga da mãe para retirar o líquido.
Você pode conversar com o médico antes para ver se ele prefere usar uma anestesia local, mas muitos especialistas acreditam que ela não é necessária. Através da agulha, o especialista retira uma pequena quantidade de líquido amniótico -- cerca de duas colheres de sopa. O líquido contém células do bebê, substâncias e microorganismos que podem esclarecer muitas dúvidas sobre a saúde da criança.
O processo de localizar o melhor lugar para o exame, com a ajuda do ultra-som, pode levar até 20 minutos. A punção do líquido em si demora apenas cinco minutos. Depois que a agulha é retirada, a mulher pode sentir cólica. O médico vai monitorá-la para ver se o útero está contraindo, e ouvir o coração do bebê para garantir que ele não tenha sofrido nenhum estresse por causa do exame.
(fonte:http://brasil.babycenter.com/pregnancy/pre-natal/exames/amniocentese/#4).

Acho que deu uma esclarecida para as futuras mamães!!!
Minha mensagem para você futura mamãe de uma criança portadora da sindrome de down:
Não te desesperas, não é lá isso tudo que vemos e pensamos... Não te assusta.
Meu filho é tão perfeito e olhando para ele não vejo nada faltando(ou mais,seu cromossomo 21 triplicado).
Talvez esse cromossomo triplicado seja, mais amor para dar, mais atenção, mais paciencia...mais apredizado, mais respeito as diferenças com nosso proximo...A capacidade de apredizado é retardada sim... mais e dai? ele vai aprender sim! E aquelas crianças que nuncam poderão andar, falar, ver, ouvir... e mesmo assim MÃES DE VERDADE AS AMA E PEDEM A DEUS PELAS SUAS VIDAS.
Eu li certa vez que o cromossomo triplicado é resultado de muito amor entre os pais. é possivel né? Quem sabe... só Deus. E se ele te achou capaz de cuidar, se ele te confiou uma criança assim tão capaz de amar triplicamente é porque tu mereces, como presente, não como cruz a ser carregada toda vida.
Aceita de peito aberto essa benção que só tens a ganhar... vai por mim!
Não te entristesses por esse motivo, não por isso! Não há motivos para chorar, se desesperar... Há motivos para se alegrar pois uma criança irá nascer e precisa de uma mãe feliz em recebe-la!!!
Tá certo que terás mais trabalho com ela, precisaras de mais tempo para acompanha-la, para estimula-la, mais te garanto que cada minuto ao lado do seu filho valerá a pena.Quando você se deparar com ele que aprendeu a lhe abraçar ou lhe beijar, por você ter gastado seu tempo ensinando-o... ai como isso te fará feliz como eu estou hoje.... PEDRO APRENDEU A ME ABRAçAR E ME BEIJAR QUANDO EU O PEçO!!! Isso não tem preço!

Desejo que curta assim como eu esse presente que Deus me ofereceu e eu NÃO RECUSEI!!!!

iiii escrevi demais ne? Boaaaaaaaa sorteeeee! Fiquem com Deus!

domingo, 6 de março de 2011

As escolhas de Deus!

Eu nunca fui aquela adolescente de ficar sonhando com casamento e filhos.
Na verdade, eu dizia que não teria filhos e me imaginava sendo uma péssima mãe, por não ter jeito com crianças e nem paciência, todos me diziam: "Quando você ter o seu, você terá!" sempre achei bobagem...
Até conhecer Martin, casamento e filhos estavam fora de cogitação. Tava numa fase de libertação e recomeço, só pensava em curtir a vida e recuperar o tempo perdido em tantos relacionamentos que me aprissionaram...me frustraram...Impedindo muitas vezes de fazer o que eu realmente queria. Mas todos os relacionamentos que tive foi como uma espécie de preparação para vida. A Carol de hoje é resultado de todo tipo de experiência vivida, em amizades e romances.Não me arrependo de nada.
No momento que eu pensava em curtir a vida e ser feliz sozinha tudo mudou... sem mais nem menos, apareceu a oportunidade de vir aqui ver  minha tia que muitos anos não via, essa viagem parece que caiu do céu, apenas para pôr o Martin na minha vida, apartir dai tudo mudou.
Foi uma coisa tão avalassadora, que eu pensava.... não, na verdade eu não pensava em nad,a nem ninguém...
Só nesse amor que aconteceu assim como escrito nas estrelas. Era tudo tão perfeito que eu nem acreditava que depois de dar tantos murros em ponta de faca, assim sem esperar e muito menos procurar o homem no qual mudaria toda minha vida tivesse chegado. Foi tudo tão rápido que quando vi já estavamos morando juntos e pensando em casamento e filhos.Tava tão apaixonada e feliz que só pensava em agarrar essa chance de ter encontrando esse homem tão perfeito e tão feito para mim.Que me fazia(na verdade,FAZ) Casar e ter filhos passou a ser meu desejo que logo foram realizados.rapidamente rs rs rs na verdade foi filho e casamento porque o Pedro já estava prontinho e vibrando no meu ventre quando nos casamos em outubro de 2009.
Sempre achei estranho a forma como tudo cooperou para que a gente se conhecesse e se apaixonasse. Foi tudo tão intenso e verdadeiro. Quando olhei para ele a primeira vez eu sabia que havia algo destinado a nós dois.Porque foi algo muito forte... não sei explicar, parece que durante toda minha vida esperava aquele momento de conhece-lo!!
Quando eu soube que estava grávida do Pedro, eu senti uma felicidade tão grande. Engraçado foi que nunca desejei assim ser mãe, como já falei tudo mudou após conhecer Martin. Me faz pensar que era preciso que ele entrasse em minha vida para que então eu pudesse abrir meu coração para esse tipo de amor.
Durante a gravidez eu ficava me perguntando, me preocupando como seria EU CAROL, tão alesada, preguiçosa e demente ???? kkkk MÃEE???
Foram muitas dúvidas e só uma certeza, eu o amaria acima de tudo. Um pedaçinho de mim e do meu amor... haveria de ser algo extremamente ESPECIAL.
Minha gravidez foi tão tranquila, curti cada momento, cada mês... cada segundo, cada mexida... vibrava a cada ultrasom! Me sentia a pessoa mais ESPECIAL E AMADA DO MUNDO.
Quando ele nasceu e tudo aconteceu... tudo que eu nunca imaginei ou sequer pensei...
Bom... a gente nunca pede para Deus uma criança com Sindrome de Down né?
é difícil o inicio,como sempre falo...
Eu sempre penso porque Deus me escolheu??(porque eu acredito nisso)... Poderia ser uma mãe mais paciente, uma mãe mais preparada, mais madura...
Mais talvez ela não tivesse tanto amor para dar a essa criança que precisa nascer numa familia disposta a ama-la e aceita-la com suas diferenças. Deus encontrou em mim essa mãe, meio sem paciencia(mais ate que eu me superei, pensava ter bem menos), uma menina que se viu mãe derepente sozinha num Pais sem saber falar a lingua... ele sabia que eu não tinha muita  maturidade mais o amor incondicional iria se encarregar disso... e foi assim que todo esse sentimento nasceu. As pessoas falam, apenas vendo fotos, declaraçoes de amor, gestos de afeto ao Pedro... Como meu amor é imenso por ele.Que admiram a Mãe que sou.(que me tornei) Talvez por ser tão verdadeiro e transparecer até no meu jeito de falar e olhar para ele. Quem ver sabe que há algo muito forte entre nós, não só entre eu e o PEDRO, mais com o pai também que foi surpreendido com esse amor. Deus escolheu certo, mesmo me questionando porque eu e o martin, no fundo eu sei porque. Tanto amor que temos um pelo outro... Precisamos de uma criança assim como Pedro... que precisasse de TANTO amor assim. Ele sabia que seriamos capazes e honrariamos essa missão e é o que estamos fazendo.
Estamos nos saindo super bem. Nós entregamos de coração ao novo. Ao amor verdadeiro que não ver defeitos e exalta as qualidades.
E assim seguimos confiantes, esperançosos que todo esse amor, respeito e confiança em Pedro fará toda diferença em sua vida.
Tenho certeza que nós fomos unidos por um motivo maior e escolhidos a dedo para receber esse PRESENTE. Nós somos muito felizes com o PEDRO LUCAS EM NOSSA VIDA.

Sem hipocresia! Sou muito feliz com o filho que Deus me deu... muito mesmo, seria diferente se não fosse ele... Eu não seria essa pessoa melhor que sou hoje e foi tudo que passamos até aqui que fez de mim essa Carol.